Conceitos básicos de Instrumentação e Controle para Caldeiras a Óleo

Instrutor: Reginaldo de Mattos Onofre.*

Data: de 02 de agosto a 08 de setembro de 2022.

Período: terças e quintas-feiras, das 19h00 às 21h00.

Duração: 24 horas/ 12 encontros.
 

Investimento:

Profissional Não Associado - R$956,00
Profissional Membro ISA - R$860,00
Profissional + Membresia Anual ISA Profissional - R$1.256,00
Estudante* Não Associado: R$860,00
Estudante* Membro ISA: R$774,00

*A ISA considera estudante, o participante matriculado em curso superior ou técnico. É necessário que o estudante encaminhe o comprovante de matrícula para o e-mail isa@isacuritiba.org.br para validação da matrícula neste formato.

Forma de Pagamento:
​Aguarde a confirmação do curso para efetuar o pagamento. 
Depósito bancário / PIX / Cartão de Crédito (PayPal).​  

 

Conceitos básicos de Instrumentação e Controle para Caldeiras


Com a instabilidade dos produtores de petróleo o preço do óleo vem subindo todos os dias e fazem da produção de vapor com economia e segurança, uma meta que deve ser seguida com afinco, pois os custos aumentam vertiginosamente quando a caldeira 
opera desregulada. 


Monitorar todos os processos que envolvem a produção e a distribuição do vapor e o etorno do condensado, agindo com rapidez quando um deles está fora dos parâmetros pré-configurados mantém a eficiência da caldeira em números plausíveis. 


Quanto maior for a automação e a integração dos sistemas da caldeira, maior será a segurança e a eficiência. 


Este será nosso objetivo, fornecer ferramentas que ajudem na compreensão dos mecanismos que envolvem a manipulação do vapor, através de novas tecnologias e de procedimentos operacionais. 

Metodologia
 

Recursos Adicionais: A apresentação dos temas será feita através de Power Point. Os alunos poderão debater os assuntos abordados durante a aula. Serão disponibilizados exercícios onde aluno terá maior integração com o aprendizado, fixando melhor o aprendizado. Serão exibidos vídeos para melhor visualização do conteúdo e um entendimento mais fácil do que está sendo explicado. As aulas serão gravadas e disponibilizadas aos alunos.

Recursos Necessários: Computador ou NotebookMicrofone e alto-falanteSistema operacional: Windows 7 / 10 (32/64 Bit)Configurações recomendadas: Processador 2.0GHz, 8GB RAM, 5GB livre de HD/SSD


Objetivo


Proporcionar aos participantes informações básicas de funcionamento dos instrumentos de controle e intertravamento da caldeira, bem como os procedimentos de partida e parada. Interpretar as informações dos analisadores de gás para otimizar a eficiência da combustão, mantendo os níveis dos gases dentro da faixa operacional.


Público-alvo


Para instrumentistas, projetistas, planejadores, técnicos de instrumentação, engenheiros envolvidos direta ou indiretamente nas aplicações de processos e mecanismos da manipulação do vapor.


Destinado a todos os profissionais que se interessam pelas áreas de operação e controle de caldeiras, integração de variáveis de controle, otimização na automação de caldeiras e suas malhas de controle.

Resultados Esperados


Na conclusão do treinamento o estudante deve ter conhecimento para saber como o vapor é gerado, o que é título do vapor, como ele é distribuído e como reaproveitar a energia contida nele. 


Quais as implicações de uma operação insegura da caldeira. Porque devemos automatizar uma caldeira, quais as consequências desta automação. 


Entender as variáveis de processo que identificam a eficiência da caldeira e da combustão através de analisadores e outros instrumentos. Como as novas tecnologias, tais como os controladores híbridos, os transmissores digitais, rede de controle, rede de intertravamento, as HIM e o PC na arquitetura da caldeira, otimizam o funcionamento e a segurança na produção de vapor. 


Os acidentes acontecem normalmente na partida e/ou na parada das caldeiras, assim sendo elaborar procedimentos para evitar acidentes desta ordem. 


Que é possível operar uma caldeira com segurança, economia e respeitando o meio ambiente.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO
 
01.Introdução – Automação da caldeira de Santos, com fotos
02.Calor

     02.1. Calor Sensível
     02.2. Calor Latente
     02.3. Separador de umidade
03.Instrumentação
     03.1. Linha de transmissão pneumática
     03.2. Linha de transmissão elétrica
04.Variáveis do Processo
     04.1. Pressão
     04.2. Temperatura
     04.3. Nível
     04.4. Vazão
05.Válvula de Segurança
06.Intertravamento
     06.1. Burner Control 
     06.2. Chave de Nível
     06.3. Pressostato
     06.4. Termostato
     06.5. Foto-Célula
07.Válvulas de descarga de Alívio
08.Válvulas de descarga de Fundo
09.Resfriador de amostra
10.Tipos de caldeiras
     10.1. Aquotubular
     10.2. Flamutubular
11.Desaerador
     11.1. Visor de nível
     11.2. Controle de nível
     11.3. Controle de pressão
     11.4. Retorno de condensado
     11.5. Bombas de água
     11.6. Válvula de controle de entrada de água
12.Anel de alimentação de óleo
     12.1. Válvula de controle
     12.2. Válvula de retorno
     12.3. Válvula solenoide
     12.4. Transmissor de vazão de óleo combustível
     12.5. Trocador de calor
     12.5.1. Controle de temperatura
     12.6. Bomba de óleo
     12.7. Tanque de armazenamento de óleo
     12.7.1. Controle de temperatura
13.Anel de vapor de atomização
     13.1. Válvula de controle
     13.2. Válvula solenoide
14.Sistema de ar de combustão
     14.1. Damper
     14.2. Posicionador do Damper
15.Controle de nível
     15.1. Efeito expansão
     15.2. Efeito contração
     15.3. Com 1 elemento
      15.4. Com 2 elementos
      15.5. Com 3 elementos
      15.6. Efeito arraste
      15.6.1. Golpe de aríete
16.Processo de combustão
     16.1. Combustão completa/Incompleta
     16.2. Relação ar/óleo
     16.3. Relação atomização/óleo
17.Analisador de gases
     17.1. Composição do AR Atmosférico
     17.2. CO2
     17.3. O2
     17.4. Teor de fuligem CO
     17.4.1. Poluição do ar provocada por caldeira
     17.5. Excesso de ar na combustão
     17.6. Eficiência na combustão
     17.7. Bico atomizador
     17.8. Ar primário
     17.9. Ar secundário
18.Tratamento da água
     18.1. Impurezas da água
     18.2. Tratamentos externos
     18.3. Regeneração
19. Integração do sistema: 
     19.1. Telas no SSC (Sistema de Supervisão e Controle); 
     19.2. Alarmes
     19.3. Histórico
20. Operação de caldeiras: 
     20.1. Partida;
       20.1.1.Verificar alinhamentos 
       20.1.1.1. Óleo
       20.1.1.2. Vapor
       20.1.1.3. Água
       20.1.1.4. Bombas
       20.1.1.5. Válvulas
       20.1.1.6. Sistema de intertravamento
       20.1.1.7. Sistema elétrico
       20.1.1.8. Válvula de controle de saída de vapor
       20.1.1.9. Desaerador
     20.2. Acompanhamento operacional
     20.3. Parada; 
       20.3.1.Por instrumento do intertravamento
       20.3.2.Drenar linha de óleo combustível
       20.3.3.Desligar bombas
       20.3.4.Bloquear válvulas de alimentação
         20.3.4.1. Óleo
         20.3.4.2. Vapor
         20.3.4.3. Ar
         20.3.4.4. Água
       20.3.5.Desligar painel de alimentação elétrica

*Instrutor: Reginaldo de Mattos Onofre 

 

Técnico de Instrumentação e Automação na PETROBRÁS (34 anos), Ministrou Curso de Instrumentação básica no SENAI de Santos, Instituto Brasileiro de Segurança na área de caldeiras, participou de congressos e simpósios como conferencista.


Participou de vários cursos no Brasil e nos Estados Unidos (STEAM ENERGY CONSERVATION SEMINAR) na área de produção e distribuição de vapor, palestrante na ISA EXPO 2005 – CHICAGO – Efficiency and the safety in the  steam generation

Reginaldo Onofre.jpg